Seguir por e-mail

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Comunicação Legal: Refletindo Sentimentos

Fonte: http://reconfessions.blogspot.com/
Treze formas erradas de comunicação entre pais e filhos é um dos textos mais populares do blog e gerou certa repercursão por tratar de forma abusiva um tema complexo para todos, sejam pais-mães ou filhos.

Então, como prometido, vamos discutir agora as formas corretas de se comunicar, iniciando com a Reflexão dos Sentimentos, de acordo com Maria Tereza Maldona em seu Livro: Comunicação entre Pais e Filhos.

A comunicação vai além do falar e ouvir, para compreender a mensagem exata que uma comunicação quer trazer, é necessário entender os sentimentos, observar o não verbal - a linguagem corporal, o tom de voz.

Refletir os sentimentos implica em ouvir as emoções das palavras ou das imagens, o que realmente a mensagem quer passar. Muitas vezes a pessoa diz que "está tudo bem" quando na verdade não está. Olhando nos olhos, vendo a expressão facial, o tom em que esse "está tudo bem" aconteceu, podemos perceber que não está tudo bem. Então, ao refletir os sentimentos, podemos dizer explicitamente ao outro o que percebemos e assim trazer confiança para que a comunicação continue.

Os principais efeitos que a reflexão de sentimentos tem são: criar um clima de confiança e liberdade de expressão, onde a pessoa sente-se verdadeiramente acolhida; aumentar o campo perceptual, ajudando o outro a entender e esclarecer o que se passa dentro de si; fazer a pessoa sentir-se genuinamente aceita, compreendida, respeitada; resolver núcleos emocionais que bloqueiam condutas adequadas; facilitar a aceitação de limitações e frustrações inevitáveis da realidade e de inúmeras situações que não podem ser mudadas; fazer a pessoa sentir que seus sentimentos são válidos e estão sendo devidamente considerados.

Mas, nem sempre a reflexão de sentimentos traz os resultados esperados e imediatos, o que acontece é que há experiências na vida de uma pessoa que evocam sentimentos muito intensos que só são dirigidos aos poucos.

O medo de ser indelicado, de trazer a tona sentimentos indesejáveis para quem está se comunicando, faz com que o ouvinte acabe evitando refletir os sentimentos e muitas vezes oferecendo falso apoio ou desviando o assunto. O que pode gerar um bloqueio na comunicação. Em outras oportunidades a pessoa que tentou se comunicar terá mais dificuldades em se expressar, dizer com clareza tudo que pensa e senti diante das situações. Os principais medos são: medo de que refletir sentimentos negativos ou perigosos faça com que esses sentimentos se agravem e a pessoa se sinta pior, em vez de aliviada e o medo de perder a autoridade se começar a transmitir compreensão.

O uso adequado da reflexão de sentimentos depende de algumas atitudes: acreditar que é saudável vivenciar, reconhecer, dar-nos conta e expressar para nós mesmos ou para os outros qualquer tipo de sentimento; ouvir, entender e aceitar os sentimentos expressos sem julgar, criticar, consolar ou ameaçar; estar genuinamente disponível para ouvir o que o outro tem a dizer; ter vontade de ajudar o outro a acreditar que ele tem capacidade de esclarecer ou de encontrar uma saída para sua situação; respeitar a individualidade e a autonomia do outro.

Nós todos somos capazes e já utilizamos a reflexão de sentimentos em muitas de nossas conversas, mas desenvolver essa habilidade dia após dia é muito importante para abrir um canal de comunicação eficaz entre pais e filhos.

Ouvir com o coração!!! Aí está o segredo!!!

Referência
MALDONADO, M. T. Comunicação entre Pais e Filhos: a linguagem do sentir. 19ª Ed. São Paulo: Saraiva, 1995.

Um comentário:

  1. É ouvir com um "novo" ouvido. Mto elucidativo seu texto. Parabéns!

    ResponderExcluir

Vou adorar saber o que achou, comente!